Record abraça “guerra religiosa” e mostra enriquecimento de bispo rival de Edir Macedo

Maurício Stycer.

Em dois vídeos divulgados no início do ano, o bispo Edir Macedo procurou associar o pastor Valdemiro Santiago, líder da Igreja Mundial, concorrente da sua Universal, ao diabo. Num dos vídeos, Macedo aparece exorcizando uma mulher supostamente possuída pelo “demônio”, que diz: “Valdemiro é meu servo. Todos que estão lá dentro estão no pecado”.

Neste último domingo, a Record, de propriedade de Macedo, deu continuidade à denúncia, não com exorcismo, mas com uma reportagem de 26 minutos sobre “o apóstolo milionário” no programa “Domingo Espetacular”.

“Durante mais de quatro meses, nossa equipe seguiu a trilha do dinheiro, que começa na doação dos fiéis e vai parar no bolso do novo criador de gado do Pantanal”, disse Marcelo Rezende, repórter policial experiente, que conduziu a reportagem.

Irônico, Rezende falou do “milagre do enriquecimento” do pastor Valdemiro, em especial as duas fazendas adquiridas por ele no Mato Grosso. A reportagem prometeu mostrar “o paraíso que o dinheiro dos fieis da Igreja Mundial do Poder de Deus proporcionou a Valdemiro Santiago, o apóstolo.”

No esforço de ser didático aos espectadores da Record, Rezende parecia estar falando com os fiéis da Universal: “A área somada das duas fazendas é duas vezes o tamanho da cidade de Jerusalém, a terra sagrada dos cristãos”, disse.

Mas também usou imagens de compreensão mais direta: “Somando tudo, o investimento de Valdemiro no Mato Grosso chega a R$ 50 milhões em dinheiro, valor suficiente pra comprar 20 Ferraris 0 KM, o carro mais caro do Brasil, ou 10 coberturas em Nova York, a cidade mais cara do mundo”.

Na parte final da reportagem, Rezende lembrou que Valdemiro foi pastor da Universal, mas deixou a igreja de Macedo em 1998 para fundar a sua própria. “Para crescer rapidamente, Valdemiro ataca com violência a igreja a qual pertenceu, principalmente o bispo Edir Macedo”.

De passagem, sem se alongar, Rezende informou que Macedo é também proprietário da Record.

Sobre Valdemiro, o repórter da Record disse ainda: “Hoje esbanja uma vida de riqueza com direito a aviões, helicópteros e carros de luxo”. E concluiu a reportagem ouvindo um “especialista” da área tributária, que afirmou: “Eu diria que a exploração da atividade agropecuária é incompatível com qualquer atividade religiosa.”

Não é a primeira vez que Macedo usa a Record em benefício da “guerra religiosa” que trava contra rivais. Em novembro de 2011, o mesmo “Domingo Espetacular” exibiu uma reportagem de 39 minutos sobre um fenômeno religioso, encontrado em diferentes práticas neopentecostais, que a emissora ironizou chamando de “cai-cai”.

Como escrevi na ocasião, na prática, a reportagem foi um ataque impiedoso aos pastores que fazem apologia desta prática, com o objetivo de alertar eventuais fiéis de que o “cai-cai” é, na verdade, charlatanismo ou obra do demônio.

Dentro da emissora, o ataque ao “cair no espírito”, como também é conhecida a prática, foi visto como uma vitória de setores da Igreja Universal que defendem a utilização da Record no ataque aos adversários religiosos e, também, no esforço de recuperar o número de fiéis, que estaria em queda.

Como se vê, a utilização da emissora pela igreja continua intensa.

Comentar sobre