‘Histórias Cruzadas’: Saiba por que Viola Davis se arrependeu de fazer o filme

Em entrevista a Vanity Fair, atriz lamentou ter participado do filme: 'Parece que traí a mim mesma e ao meu povo'

0
100
Viola Davis em'Histórias Cruzadas' (Reprodução/Internet)
Viola Davis em 'Histórias Cruzadas' (Reprodução/Internet)

Viola Davis foi indicada ao Oscar pela sua interpretação da empregada doméstica Aibileen Clark em ‘Histórias Cruzadas’ (The Help, 2011), um papel do qual revelou ter se arrependido devido à – em suas palavras -, marginalização das empregadas negras e a narrativa de “salvador branco” do filme. O drama de época conta a história de uma jornalista branca no sul dos Estados Unidos (interpretada por Emma Stone) e seu relacionamento com duas empregadas, Clark e Minny Jackson (Octavia Spencer) durante o auge do Movimento dos Direitos Civis em 1963.

Davis, que foi capa da edição de julho da revista americana Vanity Fair – a primeira capa da revista fotografada por um fotógrafo negro – falou mais detalhadamente sobre o seu arrependimento em meio ao interesse crescente pelo filme devido aos protestos que aconteceram no ano passado pela morte de George Floyd.

“Não há ninguém que não se divirta com The Help, mas uma parte de mim sente que traí a mim mesma e ao meu povo, porque estava em um filme que não estava pronto para [contar toda a verdade]”, disse a atriz. Ela acrescentou que o filme foi “criado no filtro e na fossa do racismo sistêmico”.

+ “A Vida Depois do Tombo”, documentário sobre Karol Conká, ganha primeiro teaser; veja

Para Viola Davis, Hollywood não está preocupada em oferecer bons papéis para atrizes negras

 

Viola Davis e Octavia Spencer em'Histórias Cruzadas' (Reprodução/Internet)
Viola Davis e Octavia Spencer em ‘Histórias Cruzadas’ (Reprodução/Internet)

Na entrevista, Davis disse que um grande problema na indústria do cinema é que “não há muitas narrativas investidas na humanidade dos negros” e que Hollywood até está mais “interessada na ideia do que significa ser negro, mas… está voltada para o público branco. O público branco, no máximo, pode sentar e assistir uma aula sobre como somos. Depois, saem do cinema e falam sobre o que isso significa. Eles não são movidos por quem éramos”, opinou a atriz.

Beyoncé comemora 5º aniversário do álbum ‘Lemonade’: ‘Estou muito grata’

Ela também falou sobre o número ainda reduzido de papéis para atrizes negras em Hollywood: “Não há oportunidades suficientes para trazer aquela atriz negra desconhecida para as fileiras das conhecidas. Para estourá-la!” O que é uma das principais razões pelas quais ela aceitou o interpretar Aibileen. “Eu era aquele ator jornaleiro, tentando entrar”, disse Viola.

Mesmo que o filme tenha trazido aclamação para a atriz, não houve uma enxurrada de ofertas vindo em sua direção. Depois do Oscar, o único papel importante que Davis conseguiu foi o da inesquecível Annalise Keating, protagonista de ‘How To Get Away With Murder’. Sobre o papel, Viola revelou que as pessoas tem curiosidade de saber por que ela decidiu protagonizar uma série de TV depois do seu sucesso no filme. “Eu sempre pergunto a eles, que filmes? Quais foram esses filmes? Ouça, eu tenho Widows (No Brasil: As Viúvas), mas se eu apenas contasse com o pipeline de Hollywood … Não, não existem esses papéis.”

Agora, numa passagem do tempo para 2021, Viola Davis voltou a ser celebrada por um papel no cinema. No SAG Awards 2021, a atriz foi premiada como Melhor Atriz pelo filme “A Voz Suprema do Blues”, lançado pela Netflix em dezembro do ano passado.

SAG Awards: Chadwick Boseman e Viola Davis são consagrados em premiação; veja lista de vencedores

SIGA O ADTV NAS REDES

Quer acompanhar tudo sobre Famosos, Notícias da TV, Audiência da TV, Mundo Pop, Futebol, EsportesMMA, Streaming, Programação de TV, Novelas e mais? Siga nossas redes sociais, FacebookInstagram, ou Google News! Ou procure digitando nos resultados de busca por: ADTV!