A guerra ‘nada’ santa dos líderes religiosos

 (*)Alan Júnior de Queiroz

Não é só de cenas de violência cotidiana que vive a TV aberta no Brasil. Outro “fenômeno” que vêm ocupando os horários de quase todas as emissoras são os programas religiosos. Entre as igrejas eletrônicas, as mais chamativas são Universal, Mundial, Renascer ou da Graça de Deus.

“Em nome de Jesus”, tanto na igreja quanto na TV, no rádio, país afora. Os líderes e pastores declararam guerra para conquistar novos adeptos – ou melhor roubar fiéis um do outro.

A denominada Igreja Eletrônica expandiu-se no Brasil a partir da década de 80. Desde então se reza, salva e faz curas milagrosas, a nova modalidade adotada é fazer Jesus pagar enormes dívidas dos fiéis.

A liberdade de expressão está sendo usada como arma pelas igrejas. Hoje em dia pode-se  fazer e dizer tudo na Tv. Essa briga religiosa não tem nada de santa.

*Alan Junior de Queiroz é estudante de Comunicação Social – Jornalismo da Faculdade do Norte Pioneiro(Fanorpi). 

Comentar sobre