Afinal, as pesquisas do Ibope valem ou não valem?

Flávio Ricco.

As emissoras de televisão, de uma forma
geral, devem chegar a uma conclusão sobre os serviços do Ibope, se
servem ou não servem, se prestam ou não prestam.

Porque se observa uma diferença de
comportamento importante quanto aos resultados das pesquisas. Quando
favoráveis, se promovem grandes festas, sempre acompanhadas de um
festival de releases e súplicas aos jornalistas na divulgação dos seus
feitos. Mas quando não, caem de pau em cima do instituto de pesquisa.

O que se exige é um mínimo de coerência. Vale ou não vale?
Guardadas as devidas proporções, isto
também lembra um ex-treinador de futebol em atividade. Quando o time
vence, sempre arruma um jeito de dizer que foi ele que ganhou, mas em
caso de derrota, os jogadores é que perderam.

O que falta, por fim, é fazer uma pesquisa
sobre a qualidade, não a quantidade, do que é colocado no ar. O bom e o
ruim. Hoje, verifica-se, está cada vez mais forte a aposta no baixo
nível.

Comentar sobre